Sidebar

Menu Principal

26
Qua, Jun

 

Geral

A Câmara Municipal de Campos dos Goytacazes recebeu, na tarde desta sexta-feira (17), o sétimo seminário municipal “Campos no combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes”, promovido pela equipe do programa FortaleSer, da Fundação Municipal da Infância e da Juventude (FMIJ). O tema abordado neste ano foi “Prevenção à violência sexual contra crianças e adolescentes: caminhos possíveis”.

Compuseram a mesa o presidente da Câmara, Fred Machado (PPS), a vice-prefeita de Campos, Conceição Santanna, a presidente da FMIJ, Sana Gimenes, o mestre em psicologia clínica, Antônio Carlos de Oliveira, o assistente social, Renato Gonçalves e a promotora da Tutela Coletiva da Infância e Juventude da comarca de Campos, Anik Rebello Machado. O seminário contou com apresentações musicais e teatrais dos adolescentes do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da FMIJ e do programa Semeando Arte.

O evento faz parte da programação do Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infantil, em 18 de maio. A data foi instituída pela Lei 9.970, lembrando o caso da menina Araceli que, aos oito anos, foi sequestrada quando voltava da escola, em Vitória (ES), e encontrada morta. A criança tornou-se símbolo da campanha que mobiliza autoridades e a sociedade em ações promovidas por todo país na luta pela garantia de direitos de crianças e adolescentes.

Iniciando o seminário, o presidente da Câmara, Fred Machado (PPS), agradeceu a presença de todos e ressaltou a importância da discussão do tema. “Tenho certeza que o debate será profícuo, especialmente diante de tantas autoridades que podem abordar esse assunto da melhor forma possível”, destacou.

A vice-prefeita, Conceição Santanna, afirmou que o assunto deve ser discutido por toda a sociedade. “Vamos ouvir um tema que é de suma importância para nós, que é a violência contra a criança e ao adolescente. É um dever de todos nós estarmos alertas em relação a essa problemática tão grande”, disse.

Sana Gimenes alertou quanto à gravidade dos casos. “Quando falamos em violência sexual, pensamos em uma série de situações em relação às quais a criança pode estar submetida: pornografia infantil, prostituição infantil, estupro. Mas, infelizmente, a maior parte dos casos notificados, segundo o Ministério da Saúde, recai sobre um dos mais graves que é o estupro. E a gente sabe das consequências, não somente físicas, mas psicológicas, que uma criança que sofre essa violência possa carregar”.

A psicopedagoga Leila Azevedo discursou sobre “Jeito simples de prevenir”. “A violência sexual infanto-juvenil é um assunto pesado, é grave. Mas existem formas que a gente pode suavizar esse assunto para falar com a criança”, explicou. Ela apresentou estratégias para abordar o tema, como a contação de histórias para crianças ou roda de conversas, no caso de adolescentes.

A promotora Anik Rebello Machado falou sobre o projeto de um centro de atendimento especializado, que deverá ser instalado no Hospital Ferreira Machado. O local oferecerá atendimento às crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual, que envolve acolhimento, atendimento médico emergencial, atendimento multidisciplinar, encaminhamento à rede de proteção, realização de perícia, escuta qualificada da vítima e o registro policial do fato. A ideia é que todos os procedimentos ocorram dentro do hospital.

O mestre em psicologia clínica, Antônio Carlos de Oliveira, ressaltou a importância da atuação do Conselho Tutelar que, segundo informou, dever ser acionado em todo caso suspeito de abuso sexual de criança e adolescente. “Essa é uma grave violação de direitos, não só da criança e do adolescente vítima de abuso, como de toda sua família”, concluiu.

*Por Ascom Câmara Campos