Sidebar

28
Sáb, Mar

 

Geral

O retorno à simplicidade e o universo lúdico infantil são as nuances da mostra “Brincadeira de criança”, do fotógrafo Ricardo Avelino, que será aberta nesta sexta-feira (13), às 19h, no foyer da Câmara Municipal de Campos dos Goytacazes. O ensaio fotográfico tem as crianças como protagonistas, sugerindo a reflexão sobre a plenitude da infância e complexidade do crescer.

Prestar atenção à criança foi uma das inspirações para exposição, pontuou Ricardo Avelino, afirmando que é necessário admitir que não estamos no caminho certo. “O adulto não existe. Como fiz psicologia, eu interpretei o adulto como uma criança morta. Quando ela entende, quando ela está estragada, ela é adulto e aí ela pode caminhar. Esse processo é minuto a minuto durante, segundo a lei, 18 anos”, concluiu.

O ensaio é sustentado pela psicanálise, o que suscita debates e reflexões. A simplicidade dos brinquedos retratados, que foram construídos artesanalmente pelo autor, remete o visitante a outros tempos. A técnica de arrasto utilizada nas fotografias compõe o ambiente poético e foi destacada pelo curador da exposição, Leonardo de Vasconcellos.

“Quando vemos as fotos de Avelino não temos a impressão de que elas estão paradas, estáticas. Além da ação cristalizada no papel é possível perceber as nuances do movimento, a modificação das tonalidades e, usando a imaginação auditiva, ouvir a algazarra que estas crianças devem ter feito durante a produção das imagens em estúdio”, afirmou Leonardo de Vasconcellos.

A mostra será realizada em parceria com o Museu Histórico de Campos, por meio do termo de cooperação técnica institucional firmado com a Câmara. Gerente do Museu, Graziela Escocard acredita que a mostra permite reelaborar e refletir sobre o universo infantil de forma poética.

“É época de fraternidade e união e principalmente de esperança depositada na imagem do menino Jesus. Portanto, o tema tratado pelo Ricardo Avelino, faz renascer em nossos corações essa esperança no futuro, simbolizado pelas crianças e suas brincadeiras”, disse a historiadora.

*Por Ascom Câmara Campos